Bairros codoenses se preparam para enfrentar período de maior risco da dengue

O período de chuvas já chegou no município  de Codó, sinal de que os cuidados contra o mosquito Aedes Aegypti devem ser redobrados.

Percorremos alguns bairros para ver como as pessoas  já estão se preparando para enfrentar o período com a finalidade de evitar problemas com o mosquito transmissor da dengue, uma vez que sem tais cuidados o risco é muito maior.

No bairro Santo Antonio, encontramos reclamação dos moradores por conta de uma obra municipal abandonada. São as duas enormes piscinas, da famosa Prainha,  que logo acumularão água suficiente para virarem criadouros do mosquito.

Dona Teresinha Fernandes e toda a vizinhança estão preocupados.

“É PERIGOSO, muito perigoso, a pessoa tem que se defender bastante (…) Se  fizesse ali um benefício melhor ali era bom, uma limpeza, olha, sinceramente, no lugar daquela prainha fosse uma creche era bom”, disse

SÃO FRANCISCO

No bairro São Francisco registramos recipientes jogados em pequenos lixeiros na frente das casas.E gente reclamando de já ter adoecido de dengue em anos anteriores como dona Maria das Dores Vieira que nunca esqueceu  dos sintomas.

Muitas dores, braço, perna, Minha cabeça doía, meu corpo todo doia…PASSOU MAL? Passei mal, eu quase morria”, lembrou-se

Mas nos quintais do São Francisco tem muita gente já se cuidando depois de ter sofrido.

 “É importante que todo mundo faça sua parte por causa da dengue, gente a dengue é horrível”, destacou dona Maria das Dores

CODÓ NOVO

No Codó Novo, dona Marileide Pereira Lima mostrou que já está tomando providências para proteger as filhas.

 “Quando, por exemplo, que eu pego assim uma coisa, vasilha que junta água, eu pego jogo fora, quando é plástico eu queimo, logo eu tenho meus meninos (…) tem que ter muito cuidado (…) eu tenho medo demais de meus filhos pegar dengue”

Deixe uma resposta