Comunidade da Trizidela promete greve de fome se a escola for fechada

caminhada de protesto

Três escolas terão ensino médio desativados em Codó. A Secretaria de Estado da Educação já explicou em nota à imprensa que está ‘otimizando espaços ociosos nas escolas em todo o Maranhão, no intuito de ofertar um ensino de melhor qualidade”.

Os moradores da Trizidela já sabem disso, mas não se contentam com a explicação porque no bairro onde moram só existia uma escola de ensino médio, a reitor Ribamar Carvalho.

A escola pela qual estão lutando vai virar um centro de execução de projetos pedagógicos, vai, por exemplo, servir para capacitar professores. Mas não é isso que a comunidade deseja para ela. Se ela fechar, como quer o governo, cerca de 400 alunos, dos três turnos, terão que tentar matrícula longe de casa. Os estudantes não querem.

Porque, eu ainda to pensando em qual escola me matricular porque a distância vai ser muito grande da minha casa e também to com medo de não achar vaga”, reclamou a aluna, Samira Almeida

PROTESTO NAS RUAS

Nem os pais que, por isso, estiveram ontem á tarde, 12, na caminhada de protesto contra a decisão da Secretaria.

“Prejudica todo mundo…POR QUE PREJUDICA? Porque fica muito longe pra ir pras outras escolas” , disse indignada a lavradora, Elizabete Martins, mãe de aluno

Os manifestantes saíram da praça em frente á escola Governador Archer, subiram a Av. Vitorino Freire, parando, como o apoio total do núcleo do Sinproesemma na pessoa do coordenador Jean Pierry Siqueira, em frente à regional de educação.

GREVE DE FOME

Ouve vários discursos cobrando um novo posicionamento do Governo do Estado. Os manifestantes também revelaram a idéia de ocupar a escola e até fazer greve de fome caso a reitor Ribamar Carvalho venha ater o ensino médio desativado.

A diretora regional, Raimunda Sousa da Silva, não quis gravar entrevista, mas informou que fará chegar à Secretaria Estadual o pedido dos pais, professores e estudantes.

Deixe um comentário