Criminosos previdenciários de Codó estão com modalidade nova no mercado

Maria Alves Moreira Cunha, de 59 anos de idade, foi presa no início desta  semana numa agência bancária tentando se passar por Cícera Ferreira de Brito, de 80 anos.

O delegado Zilmar Sanrana explicou, em entrevista à TV Mirante, que a finalidade era validar este cartão magnético  para que aposentadoria de Cícera continuasse sendo sacada.

NOVIDADE CRIMINOSA

O caso apresentou uma modalidade de falsificação de documento público cada vez mais frequente aqui em Codó, referindo-se à crimes previdenciários. Os falsários agora pegam lados opostos de duas carteiras de identidade para formar um único documento e apresenta-lo ao banco.

Na carteira falsa apreendida esta semana o lado com a foto era do documento original de Maria Alves Moreira Cunha e o outro lado era de Cícera de Brito, que a polícia ainda está investigando se está viva ou morta.

Suspeita-se, neste caso específico, que cada lado tenha sido expedido, originalmente,  por um Estado diferente – Maranhão e Piauí.

“Isso é uma das formas de falsificar documento público em que são justapostas partes diferentes de um documento com o objetivo de se  fabricar um terceiro documento com elementos fraudulentos oriundos de dois documentos distintos….SUSPEITA-SE QUE UM LADO ERA DO MARANHÃO,  OUTRO DO PIAUÍ? É, vamos investigar a origem do documento da parte que tem os dados, a qualificação da titular do benefício e também investigar a origem do benefício”, explicou Dr. Zilmar

Maria Alves foi indiciada pelo crime de falsificação de documento público e posteriormente liberada para responder ao processo em liberdade. O delegado está investigando o envolvimento de outras pessoas no crime.

Deixe uma resposta