Fale com Acélio

último rebanho

Sabiazal está entre as comunidades que mais fizeram empréstimos bancários para a criação de caprinos na zona rural de Codó. Cinco anos depois, o povoado que deveria ser um exemplo de produção de carne e leite destes animais vive uma história diferente.

Entre os anos 2.000 e 2004, pelo menos 28 lavradores conseguiram crédito, de R$ 14.000,00 cada, para pequenos investimentos rurais. Entre as criações que poderiam ser trabalhadas a que dependia dos apriscos foi a mais requisitada. Hoje, dos 28 só encontramos 1 criador em atividade.

Fomos até o único lote do assentamento que ainda mantém aprisco com animais. O dono estava para a cidade, mas Antonio Filho, responsável pela criação, nos atendeu. Contou que a luta é diária contra doenças e furtos de bodes e cabras.

Com trabalho dobrado, em razão do que aconteceu com os demais, o patrão manteve uma fonte de renda e ele, Antonio, se dedica mais ainda porque também não quer perder a dele.

Está interando dois anos que to aqui cuidando do gado dele aqui…DESEJA QUE SE ACABE? Não, acabar agora não, se acabar agora eu não pego no dinheiro, né não! “ respondeu sorrindo

TRISTEZA

Ex-criadora

No resto do povoado, tristeza. Dona Maria de Fátima Costa nos mostrou o lugar onde os animais eram criados. Há dois anos tinha 22 caprinos no terreiro e hoje nenhum. Até arrependeu-se de ter trocado a lavoura pela criação.

“O que aconteceu? É que morria muito. Dava doença aí, sem ver sem pra quê…E ACABOU DESISTINDO? Foi…NÃO PENSA EM CRIAR NOVAMENTE? Não, bode não, não dá recompensa, não tira nem o trabalho da gente, faz é perder demais”, disse

Os criadores também não se entenderam. Dona Francisca das Chagas afirma que chegou a ter 60 animais, a maioria foi morta dentro da própria comunidade, até que ela desistiu de tudo.

cerca pra bode tem que ser um acerca num sei nem como e aí eles saíram na hora em que saíam, se entrava no do vizinho eles matavam…matava, cortava a orelha, faziam tudo enquanto. Aí eu acabei pra livrar de confusão, né, se já estavam matando os bodes quando acabasse de matar os bodes me matava”, explicou a ex-criadora

DÍVIDAS E COMPLICAÇÕES

Aprisco abandonado

Todos estão com dívidas que variam entre R$ 10.000,00 e R$ 18.000,00 no banco, e com prestações em atraso. Há 3 anos seu Raimundo Sotério Pereira da Silva pensa no que fazer para limpar o nome e voltar ter crédito na praça.

“Hoje ela ta mais ou menos uns 15 mil reais…COMO VAI PAGAR ISSO? O restante vai ficar desse jeito mesmo…a vida da gente ta assim, esse empréstimo foi só pra jogar a gente dentro do buraco”, respondeu-nos entristecido

POSIÇÃO DO BNB

O banco (do Nordeste) informou que poucos, até agora, procuraram a agência para renegociar. Ao fazer isso, explicou o gerente, Gilvan Barros Fontinele, o endividado passa a ter algumas regalias da lei. Mas é preciso ter atitude para refazer os cálculos e pagar o que restar.

“A gente está tendo o cuidado de avisar, e este aqui é um meio fantástico para isso, para que eles possam se beneficiar disso. Regularizar a situação, voltar a ter os bonos nas prestações que ainda não venceram e pegar esta parte que está em atraso e jogar lá para o final para que eles possam dá uma respirada, enfim, voltar a produzir”, ressaltou o gerente

3 comentários sobre “Ex-criadores de Sabiazal devem juntos mais de R$ 300.000,00 ao BNB”

  1. Pela tua derrocada na matéria de figueiredo jr. e outras que não vem o caso a agora, resolvi ser seu colaborador!

    COMISSÃO DO SENADO APROVA FIM DA REELEIÇÃO E MANDATO DE 5 ANOS

    GABRIELA GUERREIRO
    DE BRASÍLIA

    A Comissão de Reforma Política do Senado aprovou nesta quinta-feira o fim da reeleição no país, com a ampliação dos mandatos no Poder Executivo para cinco anos –que valeria para presidente da República, governadores e prefeitos.

    Se for aprovada pelo Congresso como na comissão, a regra não valerá para quem já ocupa cargos de comando no Executivo, como a presidente Dilma Rousseff –que continuaria tendo direito a disputar a reeleição daqui a quatro anos.

    A mudança entraria em vigor para os eleitos em 2014, o que atingiria a petista somente se ela fosse reeleita para um segundo mandato.

    Os senadores também decidiram manter o sistema do voto obrigatório no país, mesmo com parte da comissão favorável ao voto facultativo. “Temo o risco de termos governantes eleitos por uma minoria pouco expressiva. Em momentos de crise, isso pode gerar instabilidade”, disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

    A comissão vai apresentar somente no dia 5 de abril o relatório final com todas as suas decisões, mas até lá vai discutir quatro temas da reforma por semana –com decisões parciais a respeito de cada um.

    Apenas dois senadores se declararam favoráveis à manutenção da reeleição no Poder Executivo: Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e Francisco Dornelles (PP-RJ). Outros doze senadores foram contrários à manutenção do modelo atual, em que os chefes dos Executivos assumem mandatos de quatro anos, com a possibilidade de reeleição.

    “A reeleição é um instituto pouco republicano. Na época em que foi votada, fiquei extremamente preocupado. Participar da eleição com alguém com a máquina e a caneta cheia de tinta é muito complicado”, disse o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), ex-presidente da República.

    Também ex-presidente, o senador Itamar Franco (PPS-MG) disse que Fernando Henrique Cardoso (PSDB) “impôs” a reeleição ao país em 1997 enquanto estava na Presidência da República para benefício próprio. “Ele não teve nem o cuidado de dizer que seria depois do seu mandato”, afirmou.

    VOTO OBRIGATÓRIO

    Favorável à reeleição, Ferreira disse que o cidadão tem o direito de manter no poder um dirigente que faz um bom trabalho. “Se o cidadão está feliz com a condução do governo, por que não dar a ele o direito de exercer essa preferência”, questionou o tucano.

    O voto facultativo teve o apoio de apenas três senadores: Demóstenes Torres (DEM-GO), Itamar Franco e Francisco Dornelles.

    Sobre a manutenção do voto obrigatório, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o poderio econômico pode agir para cooptar eleitores mesmo se o voto for facultativo no país.

    “Alguém ia aparecer para alguém votar ou para alguém não votar. Os que não querem exercer o direito do voto já podem hoje votar nulo ou em branco.”

  2. Gostei muito das suas matéria
    são enteresantes você inclui muito praxe
    da cidade de codó, acho que você devia falar mas do esporte em codó,
    olha tem novidades ai, tem a escolinha de Goleiros do Zulaga,
    eu acho que você devia falar um pouco dela, essa escolinha ta no mídia, faz uma matéria sobre a mesma eu acho que vai ficar bem legal, beleza.
    Mas as outras materia são muito enteresantes gostei muito…

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

APP RAD MAIS

Dr. Wanderson Leitão

Dra. Nábia, PEDIATRA

Medicina Integrada – Pedro Augusto

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

PREPARATÓRIO PARA CONCURSO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

PHARMAJOY

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

 

 

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

Mundo do Real

Reginaldo

Baronesa Janaína

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias