Iêdo e Idelfonso abrem Fábrica de 1892 para visitação e criticam ‘retalhamento’

Por ocasião da passagem de pilotos e navegadores do Rally do Pirão, dia 15 de novembro, os irmãos Iêdo e Idelfonso Barros tiveram a ideia de limpar a antiga Fábrica Manufatureira e Agrícola, erguida em Codó nos idos anos de 1892.

Só árvores foram derrubadas, dentro da área onde ficavam maquinários e trabalhadores da época, 62 (uma apenas ficou de pé porque está ligada, literalmente, à estrutura metálica).

Com a ajuda da Prefeitura muito entulho foi tirado para que os visitantes e a população codoense pudesse visitar, conhecer. Nós conversamos com os dois empresários a respeito.

“A ideia de limpar, fazer essa limpeza geral, é pra também sensibilizar o povo de Codó, o Poder Público também, porque essa Fábrica já está com 122 anos, ela tem uma história muito importante dentro do nosso município e nós estamos vendo que está sendo toda retalhada”, disse Iêdo

Após a passagem dos pilotos, os portões da Fábrica foram fechados novamente, mas não é isso que planejam os irmãos Barros.

“Nós agora vamos nos envolver junto com a sociedade, junto com o Poder Público para fazer com que essa grande obra seja mantida, vamos tentar a restauração, mas, pelo menos vamos começar essa parte da preservação. Sabemos que ela está muito deteriorada, tem áreas de risco, e vamos sensibilizar, não só o prefeito, mas toda sociedade de Codó”, concluiu Iêdo

FÁBRICA A RETALHO

Já Idelfonso criticou o retalhamento da área da Manufatureira. Dentro  existe o Fórum de Justiça, uma placa demarcando futura construção do prédio da Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Codó, possivelmente outro pedaço deve ser cedido ao futuro Fórum Eleitoral e ao Ministério Público, além do fato de já existir uma grande área para o Quartel do 17º Batalhão, em construção,  e um posto para atendimentos de saúde.

O empresário teme perder toda a área e grande parte da história dos codoenses nela guardada desde 1892.

“O que a gente quer é que um codoense de tenra idade venha aqui e diga – aqui meu bisavô trabalhou, aqui meu avô trabalhou. Então, nós temos que preservar isso aqui porque está sendo tomado e daqui a pouco nós vamos perder um patrimônio de tamanha grandeza que é a Manufatureira”, disse Idelfonso

16 comentários sobre “Iêdo e Idelfonso abrem Fábrica de 1892 para visitação e criticam ‘retalhamento’”

  1. Triste ver, na minha concepção, o maior símbolo histórico de Codó, se acabando e não se faz nada para preservá-lo. Parabéns aos irmãos Barros e que a população codoense cobre mais cuidado dos poderes com os prédios históricos de Codó.

  2. É UMA PENA VER UM PATRIMÔNIO DE NOSSA CIDADE SE ACABAR DESSA FORMA, ALI AO REDOR TEM VÁRIOS CASARÕES SE ACABANDO É UMA PARTE DE NOSSA HISTORIA QUE VAI JUNTO.

  3. Vão Também Construir um CRAS Obra do Governo do Estado dentro da Área do Antigo Prédio da Manufatureira.Bonito GESTO dos Irmão Barros (Idelfonso e Iêdo) Homens de GARRA Paraibanos de Nascimento MAIS o Coração É Codoense com uma Mentalidade do Desenvolvimento e Progresso que Geram Renda e Trabalho na Nossa Codó com Esse Objetivo Codó só Tem a Ganhar com Este Patrimônio SECULAR,que Pode Servir para um Centro de Profissionalização Técnico ou um Espaço das Artes Codoense, ou uma Escola Estadual. até Porque o Prédio é do Governo do Estado do Maranhão.Mais Vamos a LUTA Irmão Barros isso FOI só o Começo Vamos UNIR Forças Politicas,Empresarial em Prol dessa Causa de Todos os Codoense e não Codoenses, mais em DEFESA de UM PATRIMÔNIO que é de TODOS NÓS; Vamos em FRENTE Vale!!

  4. E IMPORTANTE QUE OS IRMÃOS BARROS, ANTES DE FALAREM OU CRITICAREM, PROCUREM SE INFORMAR MELHOR SOBRE OS PROJETOS DAS ÁREAS QUE FORAM CEDIDAS PELO ESTADO DO MARANHÃO E SUAS FINALIDADES.
    NENHUMA DAS ÁREAS CEDIDAS PARA OS DIVERSOS ÓRGAOS, PELO QUE SABE-SE ATINGE A ÁREA CONSTRUÍDA DO PRÉDIO HISTÓRICO DA FÁBRICA DE TECIDOS(FUNDADA EM 1892). EM TODOS OS PROJETOS DE DOAÇÃO OU CESSÃO DE USO(TJ-MA, TRE-MA, MP-MA, OAB-MA) CONSTAM ESSA PROIBIÇÃO.
    ALIAS EXISTE UM PROJETO DE DOAÇÃO DA ÁREA DA ANTIGA FÁBRICA(PRÉDIO HISTÓRICO) PARA A UFMA PARA SER RESTAURADA E SERVIR COMO UM MUSEU PARA A POPULAÇÃO CODOENSE.
    PROCUREM AS INFORMAÇÕES NAS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS E SABERÃO TODOS OS DETALHES.

  5. É uma pena ver uma obra tão história ser retalhada sem que ninguém tome providências drásticas. Imagino que ali poderia ser feito um centro artesanal/comercial, onde todos artesãos de Codó poderiam expor e comercializar seus produtos. Também poderia ter uma praça de alimentação variada, com os pratos típicos da região para que possamos atrair turismo para nossa cidade! Parabéns aos irmãos Barros pela bela iniciativa. Sonho um dia poder passear com meus filhos e poder contar a história de Codó. Mostrar o quão importante foi a manufatureira para o crescimento da cidade! Esperamos que as autoridades reclamem menos e façam mais!! Por uma Cidade Melhor!!!

  6. Caro Idelfonso,

    Amigo, deixa esse tal de observador falar o que ele quiser, é apenas um João Ninguém que não conhece a história da cidade e nem dele. Esse ai deve ser um desses que vieram para cá assim como a autoridade maior para enriquecer nas costas de pessoas iletradas como ele, sem nenhum compromisso com a cidade e com o povo. e como não sabem fazer história destroem a história para poder aparecerem ou melhor serem vistos como autoridades.

  7. Observador, Idelsonson tem razão, saia do armário, afinal homossexualismo hoje é uma coisa super natural, veja que a comunidade gay de Codó é enorme e cada vez mais assumida. Assume cara, deixa de bobagem. Hoje ser gay é “in” bofe

  8. Observador, Idelsonso tem razão, saia do armário, afinal homossexualismo hoje é uma coisa super natural, veja que a comunidade gay de Codó é enorme e cada vez mais assumida. Assume cara, deixa de bobagem. Hoje ser gay é “in” bofe

  9. Parabéns aos irmãos pela iniciativa, o país precisa de pessoas assim, que respeitem o ente público preservando-o. É possível mantermos mossa história viva, só depende de atitudes sérias e honestas.
    Abraços

Deixe uma resposta