Mesmo concluído novo presídio de Coroatá não recebe presos da região

Mostramos aqui na semana passada que  três homens, que respondem à processos sob acusação de assaltos, foram recapturados dia 6 de novembro quando dormiam em casa.

Daibeth Nóia e Edgar da Costa fugiram num domingo (2/11), já Bonifácio Junior, o Tripa,  estava há mais de dois meses longe desta cela improvisada da também improvisada delegacia de Coroatá.

“A nossa estrutura aqui é provisória, é sede provisória da Polícia Civil aqui. Uma carceragem que foi mais uma vez improvisada e tudo isso colabora para as fugas”, explicou o delegado Samuel  Morita.

 UM VELHO PROBLEMA

As fugas expõem um velho problema aqui de Coroatá. Desde que a delegacia da cidade foi incendiada, a Polícia Civil trabalha numa casa alugada e adaptada aos serviços policiais. A única cela que existe nela tem hoje 18 presos e só não está mais superlotada porque a maioria dos presos é encaminhada para a delegacia de Codó.

Presídio de Coroatá já está concluido
Presídio de Coroatá já está concluido

A solução seria mandar estes presos para o presídio construído aqui no município, mas ele, apesar de já concluído, não recebe ninguém.

DELEGACIA OBRA ATRASADA

Nos dirigimos ao novo presídio, no caminho encontramos a antiga delegacia em obra de recuperação bastante atrasada.

Segundo operários, os 120 dias de prazo que aparecem na placa acabaram há mais de um mês e menos de 50% do serviço já estão concluídos. Nem eles, nem o delegado sabem quando ela será entregue.

NA PENITENCIÁRIA

Em termos de estrutura física não há mais nada a fazer na penitenciária regional, mas a imprensa é proibida de entrar e presos aqui só um 2 ou pouco mais ‘experimentais’, segundo o que um chefe de segurança penitenciária  falou para nossa equipe no portão, sem permitir imagens.

O  argumento que justifica  o não recebimento da demanda da região é que falta mais funcionários e mesmo quando isso começar a ocorrer será de forma gradativa pois a penitenciária é do tipo ‘MODELO’.

SUFOCO

Enquanto isso os que estão no sufoco são os delegados de Codó onde a delegacia regional está abrigando mais de 35 presos, a maioria de Coroatá, e o próprio delegado de Coroatá que vive as voltas com as fugas desta  cela improvisada.

 “Aos poucos, irão receber os presos daqui também, da carceragem provisória, então eu acredito que é uma questão temporal, é uma questão que vai ser resolvida, porque nós precisamos de forma urgente, as celas de Codó já estão todas lotadas, a nossa está lotada, nós não temos mais estrutura suficiente para fazer a contenção, tudo aí é improvisado”, destacou Morita

Deixe uma resposta