Moradores do residencial São Pedro pedem polícia e que casas sejam ocupadas

Os moradores do Residencial Zito Rolim II (mais conhecido como São Pedro) estão reclamando da insegurança que mostrou-se bem preocupante desde que o conjunto do Minha Casa, Minha Vida foi ocupado pelas famílias.

Outro problema é o número de casas ainda desabitadas por seus ganhadores.

Um leitor nos escreveu:

“Acélio coloca aí no blog – moradores do residencial Zito II querem policiamento e querem também para todos os sorteados vão para seus imóveis (…) se precisar de abaixo assinado eu faço”, escreveu

Perguntei sobre o que estava acontecendo, sobre o que respondeu:

“Arrombamentos constantes todos os dias, ou melhor todas as noites. A falta de moradores ajuda muito esses arrombamentos”, denuncia

6 comentários sobre “Moradores do residencial São Pedro pedem polícia e que casas sejam ocupadas”

  1. Caro amigo morador do Residencial São Pedro, é lamentável, mas seu apelo jamais poderá ser atendido, pelo simples motivo de os donos das casas não poderem morar nelas. Por que? Resposta: Você acha que pessoas como o……….., …..,….., vão morar naquelas casas?? Me comprazo com você e só lamento.

  2. AMIGOS, ESSAS CASAS DO RESIDENCIAL SÃO PEDRO DIFICILMENTE SERÃO HABITADAS EM UM CURTO ESPAÇO DE TEMPO.MOTIVO: OS DONOS DE LÁ MORAM NO RESIDENCIAL STA RITA E TRIZIDELA.

  3. Todos os residênciais do programa Minha Casa Minha vida, sofre do mal chamado insegurança. Também há muita perturbacão, porque muitos moradores sem consciência e nem educação, abusam dos bares com musicas de cabaré em alto volume durante todo o dia e grande parte da noite. Não tem morador que consiga o sossego tão desejado. Lamentável!!

  4. Meu conselho aos suplentes dos ganhadores das casas é que procurem o ministério publico. Se as casas estao desocupadas, entao vcs têm direito liquido e certo de ocuparem. Procurem seus direitos.

  5. Tá horrível ,tantos arrobamentos e aquele quebra mola na entrada do residencial o índice de roubo tá horrível ,nos moradores tamos pedindo socorro

Deixe uma resposta