Empresário Murilo Salem emite nota de esclarecimento sobre sua denúncia federal contra governo de Zito

Com a minha inteira autorização, devido eu não dispor de um Blog pessoal, peço, encarecidamente, a bem da VERDADE, postar o seguinte e-mail:

Eu, José Murilo Duailibe Salem, não sou inconsequente e não tenho interesse de comentar inverdades, trazendo abalo moral a quem quer que seja.

Simplesmente, como cidadão, querendo e quero, defender os interesses maiores, os interesses de uma população enganada por um Prefeito INCAPAZ de administrar com seriedade e honestidade, um município que, ao longo de três (3) anos, vive abandonado, tendo asua população, perseguida e humilhada, sem saúde, sem educação, crianças sem uma merenda escolar adequada, uma população ouvindo promessas mirabolantes, tais com VLT (veículo leve sôbre trilhos), como 32 obras que irão assustar os seus adversários.

Um prefeito INCAPAZ de honrar as suas promessas e, obviamente as suas palavras, quando prometeu não DEMITIR funcionários públicos. De uma canetada, DEMITIU mais de 1.600 pais e ou mães de famílias, deixando-os sem um futuro empregatício.

PSEUDO JORNALISTA

Agora, tentando confundir a opinião pública, faz um Pseudo Jornalista, um homem que reza ou ora para DEUS, rogando por credibilidade, esquecendo que DEUS é surdo para os mentirosos. Essa pessôa, devería dizer de onde veio o TAL DOCUMENTO, que inocenta o Prefeito dos desvios dos recursos do FUNDEB e SAÚDE.

O pseudo jornalista, não a íntegra do documento e nem os motivos da minha denúncia. O PROCURADOR dissera que não ocorreu, na representação indícios de irregularidades nas aplicações dos recursos e, que apenas houve encaminhamento de extratos decontas das verbas públicas.

SAQUES NA BOCA DO CAIXA

Engraçadíssimo o PROCURADOR. A minha representação, com os extratos anexados, foi SÔBRE SAQUES NA BOCA DO CAIXA e não sôbre aplicações das verbas, pois, todos nós sabemos onde estão aplicando os recursos. O PROCURADOR, usou do máximo desvirtuamento da sua função, dizendo que, fatos envolvendo irregularidades na aplicação de tais recursos, deve ser atribuição do ORGÃO DE CONTROLE INTERNO, devendo atuar o Ministério Público Federal SUPLETIVAMENTE sob pena de convolar-se em orgão de auditoria do Executivo.

Resumindo, o PROCURADOR achou que, alguma auditoria interna aponte erros para que possa agir. Uma pérola de decisão. Mas, de qualquer maneira, a denúncia está sendo investigada pela CGU e a Polícia Federal do Maranhão e de Brasília. O PROCURADOR que fique procurando o fazer

Deixe um comentário