OCORRÊNCIAS: Saiba como foi o segundo turno em Codó e Timbiras

Pela manhã estivemos nas escolas que costumam ser mais frequentadas pelos eleitores em Codó, nem pareciam ser elas. Na Lalá Ramos, final da Afonso Pena, de todas as  seções uma apenas apresentava  fila. Na de Antonildes Aprígio não tinha ninguém esperando.

 “Sem nenhuma fila graças a Deus, né, porque da última vez foi bem tumultuado, mas este segundo turno agora foi bem calmo bem tranquilo pra que as pessoas possam pensar e ter a conscientização que tá votando sem pressão nenhuma, tudo tranquilo, calmo graças a Deus”, disse a eleitora

No período da tarde em Codó encontramos algumas seções completamente vazias, com intervalo entre um eleitor e outro, votando, de até 30 minutos.

Seção à tarde na Priscila Reis

Na Priscila Soares dos Reis, do bairro Nova Jerusalém, o mesário-presidente Fábio Junior da Conceição  nem esperava mais movimento à tarde baseado na abstenção do primeiro turno.

 “Com certeza, muita gente que não compareceu no primeiro turno que eu acredito que não vai comparecer também no segundo turno”, disse

SUBSTITUIÇÃO DE URNAS

Urna que travou 5 vezes na Sarney Filho

Ao longo do dia algumas urnas apresentaram problemas, 3 acabaram substituídas. A da seção 057, da escola Sarney Filho, travou diversas vezes e só não prejudicou mais  a votação porque poucos eleitores compareceram segundo informou o mesário-presidente Stênio dos Santos Silva.

 “Já travou 5 vezes aí nesse período a gente chamou o técnico e ele falou o seguinte: olha quando ela travar desliga ela, puxe da tomada e espere 30 segundos e comece novamente…É O QUE VOCÊ TEM FEITO? Exatamente”, respondeu

CONDUÇÃO EM TIMBIRAS

Presidente Adinael colhe digital de eleitoral timbirense
Fila na Alberto Abdalla

Em Timbiras de acordo com o comandante do 17º Batalhão, tenente-coronel Jurandy de Sousa Braga uma eleitora foi conduzida por estar filmando com o celular o próprio voto. Pela manhã houve apenas reclamação da demora de até duas horas na fila como registramos na escola Alberto Abdalla. Um mesário explicou que havia dificuldade de identificação por meio da digital dos eleitores.

“Porque a identificação ou por conta de algum problema com  biometria do próprio eleitor, né, a digital ou por conta de problema que, as vezes, eles têm nos polegares e nos indicadores…CHEGA, TENTA UMA DUAS TRÊS NÃO APARECE? Não aparece a gente tem que por a data de nascimento, a identificação da gente e isso gera um atraso”, disse Adinael Lima Costa

OCORRÊNCIA POLICIAL EM CODÓ

Nenhuma ocorrência policial foi registrada em Codó, cidade onde a votação também foi marcada pelo comparecimento daquele eleitor mais consciente de seu dever cívico a exemplo da lavradora  Francisca das chagas Miranda.

“se eu não precisasse votar ainda assim eu quero votar, tem filhos meus que ele é especial não tem obrigação mas ele quis votar, já levei ele, já trouxe em casa, então todo mundo, é, que é bom cidadão gosta de cumprir sua obrigação…TEM QUE VOTAR? Tem que votar”, respondeu firme a lavradora.

Deixe uma resposta