Os rumos do PT no Maranhão

O braço maranhense do PT está reunido para discutir o seu rumo nas eleições deste ano no Maranhão. Sempre dividido, o partido tem se movido com base nas decisões do seu grupo majoritário, que segue a orientação da corrente dominante no plano federal, que tem como líder maior o ex-presidente Lula.

E a orientação da liderança nacional é que o PT maranhense mantenha a aliança com o PMDB e os demais partidos da base de apoio da governadora Roseana Sarney, indicando o vice da chapa majoritária. Liderado pelo presidente recém-reeleito Raimundo Monteiro, o grupo majoritário do PT maranhense representa mais de 50% do poder de decisão da agremiação.

A banda menor é dividida em facções que brigam para impor diferentes posições. Enquanto o grupo majoritário quer a aliança com o grupo da governadora, outra corrente, esta liderada por Henrique Sousa, defende candidatura própria do partido ao Governo do Estado.

E uma terceira, bem menos expressiva e que não tem liderança bem definida, por receber orientações do deputado federal Domingos Dutra, que trocou o PT pelo Solidariedade, e do deputado estadual Bira do Pindaré, que se mudou para o PSB, tenta arrastar o partido para uma aliança com o comunista Flávio Dino.

Os líderes da corrente majoritária do PT garantem que o partido vai reafirmar a aliança com o PMDB. Essa posição será formalizada tão logo a direção nacional resolva as pendências relacionadas com o Processo de Eleição Interna (PED), realizado em outubro do ano passado. Tanto que nas discussões paralelas o que está em pauta é a escolha do candidato a vice, que pode ser o deputado estadual Zé Carlos, o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, José Costa, e o próprio presidente Raimundo Monteiro. Vale aguardar.

Quem será?

Quatro nomes estão postos como prováveis candidatos a governador indireto, caso a governadora Roseana Sarney deixe o cargo para disputar o Senado. São eles: o deputado estadual Arnaldo Melo (presidente da Assembleia Legislativa), Luis Fernando Silva (secretário de Infraestrutura), o senador João Alberto, e o deputado Max Barros (vice do Legislativo). Os quatro são do PMDB.

Sem disputa

A filiação partidária dos prováveis candidatos a governador indireto facilita o entendimento para a escolha do candidato. Se houver mesmo eleição, a governadora Roseana Sarney deverá conduzir o processo interno de negociação, do qual sairá o candidato. Pelo que a coluna tem ouvido nos bastidores, não há, por parte das lideranças do grupo, interesse numa disputa entre aliados.

COLUNA Estado Maior deste domingo. LEIA MAIS no melhor Jornal do Maranhão

Deixe uma resposta