PÁGINAS DE CODÓ (LXXIII) – MARIA JOSE COSTA QUINZEIRO

Escritor Carlos Gomes
Escritor Carlos Gomes

Filha de Raimundo da Silva Costa e Alice Fernandes da Silva Costa. Nasceu aos 30 dias de setembro de 1926, na cidade maranhense de Pastos Bons, onde viveu até aos 15 anos de idade, quando migrou para Codó, acompanhando seus genitores, cujo pai, conhecido por Mundico Costa, fora designado para chefiar a Coletoria Estadual de Codó.

Aqui se radicou desde 1941, adotando Codó como sua definitiva plaga, onde também, conheceu Talmir Quinzeiro, com quem se casou em 1948, constituindo sua numerosa prole de 10 filhos. No mesmo ano, foi nomeada professora leiga, pelo então prefeito José Raimundo Lago, em razão do cabedal de conhecimentos adquiridos nos seus estudos iniciais.

Naquela época, não havia curso ginasial em Codó, por essa razão, recebeu aulas com o renomado Professor Fernando Carvalho, o que lhe possibilitou matricular-se no extinto Educandário Magalhães de Almeida, cursou o ginasial e o normal, com brilhantismo.

Em 1968 submeteu-se ao concurso público para professores leigos, realizado em Codó, sendo aprovada em primeiro lugar. Inteligente e dedicada aos estudos, apesar de seus inúmeros afazeres do lar, foi designada no ano de 1970 para o cargo de tesoureiro da Prefeitura Municipal, nomeada pelo prefeito Moisés Alves dos Reis, cargo que ocupou até 1973, quando se desincompatibilizou, para concorrer a uma cadeira na Câmara Municipal.

Eleita Vereadora pelo PMDB, para o mandato – 1973-1977, teve como companheiros no legislativo codoense os seguintes: Júlio César Duailibe Salem, Orlando Moreira Bayma, José de Alencar Brandão, Juarez Alves Lisbino, Domingos Gomes dos Santos, Armando da Veiga Cruz, Antônio Barbosa Soares e José Alberto Bezerra Magalhães.

Destacamos da sua atuação parlamentar:

  • · Projeto de Lei nº 13/73, – Reconhece de utilidade pública, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Codó.
  • · Requerimento S/N – requerendo ao Diretor do DER-MA, a restauração da estrada que parte do KM 17 ao povoado Triângulo.
  • · Requerimento 20/75 – requerendo ao Exmo. Ministro da Previdência Social, o que determina a Portaria nº 212 de maio do corrente ano, que disciplina a concessão do Amparo previdenciário a maiores  de 70 anos ou inválidos.

Dona Maria José, como é conhecida pela comunidade codoense, pertenceu na sua juventude, à Congregação das Filhas de Maria. Pelas suas qualidades religiosas, tornou-se uma mãe exemplar, companheira e educadora, que dedicou o melhor de sua capacidade à causa e ao ofício de servir, ao lado do seu estimado esposo, Talmir Quinzeiro, falecido em 16 de maio de 1996.

O prefeito Ricardo Archer, homenageou a ilustre biografada, dando o seu nome a uma Escola, localizada no povoado Caieira.

Faleceu em 23 de outubro de 2005

Codó – MA, 19 de maio de 2014.        Prof. Carlos Gomes.

 Sócio Fundador da Associação Cultural Codoense “Antonio Almeida Oliveira”.

 Transcrito do Livro Codoenses & Não Codoenses, inédito.

Um comentário sobre “PÁGINAS DE CODÓ (LXXIII) – MARIA JOSE COSTA QUINZEIRO”

Deixe um comentário