Pastor Max propõe audiências para debater a sobrevivência do Itapecuru e a regularização fundiária em Codó

Esta semana, em entrevista a mídia digital, o vereador Pastor Max voltou a preconizar a urgente atenção do poder público e da população para duas questões: a poluição e assoreamento do Rio Itapecuru e o processo de regularização fundiária de áreas urbanas em Codó.

Hoje chamamos a atenção de todos, dos governos federal, estadual e municipal, da nossa sociedade para o estado crítico em que se encontra o nosso mais importante Rio. Assoreado, poluído, com as nascentes e afluentes completamente debilitados, o Itapecuru agoniza, pede socorro, perdeu sua força, sua beleza e já não tem mais volume de água que permita transitar, nem mesmo com canoas, sem encalhar nos bancos de areia que se formam isso tudo antes do período mais rigoroso da estiagem”, alertou o edil.

O vereador afirmou que a câmara precisa tomar posições mais contundentes em relação ao assunto, propondo audiência pública com o envolvimento de todos. “Não podemos deixar que esta situação se perpetue e que a Câmara busque soluções viáveis para salvar o Rio Itapecuru, envolvendo todos os atores da política de meio ambiente do estado, instituições de ensino superior, etc, para que juntos possamos encontrar uma solução e proteger nossas águas, revitalizando rios e nascentes, promovendo o replantio de árvores da flora local, investindo em saneamento para que os nossos rios deixem de ser depósito de dejetos e passem a ser abrigo para a vida animal. Essa é uma luta que precisa ser de cada um de nós

Sendo assim, decidi propor para debater o assunto, a realização de uma audiência pública envolvendo todos esses atores na busca de soluções para este grave problema e,ainda, que possamos, juntos, encontrar formas de proteger as nossas águas, Senhor presidente, trago novamente o problema e a necessidade de que seja realizado urgentemente o de áreas urbanas em nossa cidade.

Luta pela regularização fundiária

O parlamentar também falou sobre a delicada questão da regularização fundiária.

Entendemos que a luta por moradia não será solucionada apenas com a construção de novas habitações, mas, fundamentalmente, no reconhecimento do direito à posse para as famílias que estão em situação informal e que sofrem diuturnamente com a insegurança, o medo e a opressão desses latifundiários que se dizem donos. Quero aqui provocar essa discussão e peço que as comissões competentes convoquem os responsáveis e discutam a fundo essa situação para dar uma luz a população que sofre. Vários instrumentos legais já existem que facilitam a titulação do imóvel e vamos continuar falando e cobrando aqui nesta Casa”.

Max concluiu a entrevista destacando Dia Internacional de Combate às Drogas, a inauguração do novo sistema de abastecimento do povoado Axixá, e a realização da Copa Guará Guanaré, que teve total apoio da Prefeitura.

Ascom

Um comentário sobre “Pastor Max propõe audiências para debater a sobrevivência do Itapecuru e a regularização fundiária em Codó”

  1. Só ponho a mão no fôgo por este cidadão que está sentado a direita com camisa branca. Neste eu acredito, o resto nem pensar é só balela.

Deixe um comentário