Fale com Acélio

Sou codoense. Já afirmei antes, tenho uma relativa queda pela política. E, como estamos no assunto, reforço meu comentário: “acho a política um mal necessário”. No entanto, a política de Codó é uma das mais provincianas e amadoras que eu conheço. Se a Bacabinha fosse emancipada e estivesse necessitando de um pleito eleitoral hoje, ele não seria tão juvenil tal qual observamos nas eleições codoenses.

Quer um exemplo, nobre leitor? As motocadas. Elas são a principal prova, cabal, do que estou falando: elas asfixiam as importantes ruas e avenidas da cidade impedindo o direito de um cidadão comum, que não tem “nada a ver”, de ir e vir. É como se os candidatos privatizassem um espaço público só para eles. É ridícu-lú-lú (risadas). Além do mais, as motocadas não representam nada. As mesmas pessoas que frequentam uma disponibilizam-se em outras. Isso é fato. Motocada é puro marketing tupiniquim.

Nos programas de televisão a civilidade troca de cadeira com a barbárie. Ofensas são proferidas e nenhuma proposta é expressa. Farpas são trocadas, enfim. Recentemente, um postulante ao voto mencionou sua vontade de derrubar um muro, de propriedade privada, que atrofia o principal espaço de folia da cidade.

Confesso: também tenho vontade de destruir o tal muro. Mas será que a minha vontade, mais a vontade do candidato e a vontade geral justificam um ato tresloucado e insano como esse? Não, claro que não. Um homem que pretende conduzir a administração de uma cidade ou nação jamais deve dar voz aos vícios insaciáveis do povo. O direito deve ser encontrado na constituição, não nas ruas. Não é no povo que encontramos as leis.

Pôncio Pilatos foi o real responsável pelo processo que condenou Jesus Cristo à morte na cruz, apesar de não ter nele encontrado nenhuma culpa. Pilatos, como autoridade romana na época, tinha nas mãos a chave para a condenação de cristo e, também, sua absolvição. Porém, preferiu ouvir as massas; “quereis, pois, que vos solte o Rei dos Judeus?”. O fim todos nós sabemos, deu no que deu.

O pensador francês Alexis de Tocqueville (1805-1859) nos alertou sobre as mazelas da democracia, onde ela pode abrir as portas para atuação da ditadura da maioria. Ou seja, a democracia também pode se tornar uma vilã, pois nela prevalece o maior número de opiniões suplantando a menor quantidade delas sobre um determinado assunto.

A vontade do povo deve ficar abaixo das leis constitucionais. Reitero: fazer o que as massas querem, esbravejantes, com espumas escorrendo pelo canto da boca, é atitude indigna de um postulante ao voto. O direito, nobre candidato, só pode ser encontrado nas leis. Só nas leis.

(KLEBER SANTOS)

Deixe um comentário

PUBLICIDADES

A CONVERSA É COM ACÉLIO TRINDADE

EDITAL

APP RAD MAIS

Dra. Nábia, PEDIATRA

FACULDADE IPEDE

REGIONAL TELECOM

Marque Consulta

FC MOTOS

LOJA PARAISO

PREPARATÓRIO PARA CONCURSO

FARMÁCIA DO TRABALHADOR

PANIFICADORA ALFA

OPTICA AGAPE

SUPERLAR

PHARMAJOY

BRILHO DO SOL

 

CAWEB FIBRA

MUNDO DOS PARAFUSOS

Av. SANTOS DUMONT
CONTATO: (99)98161-3612

PARAÍBA A MODA DA SUA VIDA

Venda de Imóveis Codó-MA

HOSPITAL SÃO PEDRO (HSP)

Óticas HP

CARTÃO NOROESTE

 

 

SEMANA RAD+

 

 

GABRIELA CONSTRUÇÕES

Imprima

Lojas Tropical

Mundo do Real

Cacau Show – Codó-MA

 

Reginaldo

Baronesa Janaína

SÔNIA VARIEDADES

RÁDIOS NET

EAD – Grátis

Categorias