Promotor da Infância apela por mais denúncias após CT registrar apenas 26 casos de crimes sexuais

Promotor Vicente na Marcha
Promotor Vicente na Marcha

O Conselho Tutelar de Codó mostrou ao blogdoacelio os números de crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes registrados entre junho de 2011 e maio de 2013.

Para efeitos didáticos e melhor controle dos próprios conselheiros, os casos são separados por abuso, exploração e estupro. No total, são 26 crianças e adolescentes violentadas em seus direitos, assim distribuídas:

  • 14 casos de abuso sexual (para o Conselho ocorre quando o adulto fica apenas mostrando-se para a criança, tocando-a com más intenções, se masturbando)
  • 3 casos de Exploração Sexual ( Pais ou responsáveis colocam crianças e adolescentes para trocar favores sexuais por dinheiro)
  • 9 Estupros (para o Conselho, estupro é quando ocorre penetração).

 Vale ressaltar que a lei, atualmente, não faz mais esse tipo de distinção. Incorre no crime de estupro, por exemplo, quem se mostra ou apenas pratica atos libidinosos  na frente de crianças e adolescentes e aquele que faz a penetração propriamente dita.

Por ocasião da Marcha contra estes crimes realizada na semana passada em Codó, o promotor da Infância e Juventude, Vicente Gildásio, elogiou a iniciativa e falou sobre o nível de denúncias, sobretudo, feitas por meio do disk 100.

Explicou que o número de denunciantes ainda é ‘tímido’ e que as pessoas precisam melhorar na identificação dos criminosos para ajudar aos combatentes, dentre os quais o próprio Ministério Público Estadual.

“Codó inicia-se o ato de denúncia, mas ainda é uma coisa muito tímida. Há uma necessidade dos codoense se utilizar mais do disk 100 de forma mais precisa, como assim? você poderia me perguntar Acélio, descrevendo melhor o local, a pessoa que está cometendo ato abusivo contra o menor pra que seja mais fácil nós conseguirmos localizar, conseguirmos encontrar o infrator e puni-lo’, disse Gildásio.

Deixe um comentário