Senhores, é com pesar que lhes apresento o fim do finado GRUPÃO NOVO que já nasceu morto

A primeira aparição do grupo foi no programa da TV Palmeira do Norte e lá estavam Ricardo, Dr. Mendes, Zé Inácio, Araújo Neto e Dr. Antonio Joaquim.

Com a proximidade da eleição, o grupão foi ficando mais forte com a chegada de Arlindo Salazar, Zé Francisco, Yuri Corrêa, Horário, Hildemberg, Domiguinhos, Mário Braga, Pedro Belo, Figueiredo Junior, dentre outros. As reuniões eram sempre as terças-feiras, cada vez mais empolgantes, a ideia do grupo novo tomava corpo e nas ruas já se ouvia falar disso, na Câmara já se falava nisso, nas rádios, na TV.

Ficou tão sério que muitos codoenses acharam, daí vai sair um prefeito.

Viajamos na maionese, escorregamos na casca da banana, demos com os burros n’água e, mais uma vez, acreditamos demais.

Só nós mesmos, porque os grandes líderes políticos de Codó sabiam, e alguns até disseram isso para muitas testemunhas, que um dia todos às suas casas tornariam ou achariam um ninho novo para continuar suas vidas políticas.

Senhores(as) não deu outra. O que já nascera morto, enterrou-se de vez no último sábado. Diante de uma pesquisa encomendada pelo grupão, que está em minhas mãos, impressionados com os números, em vez de somarem forças para encarar os chefões e dar ao codoense uma via inovadora, os homens se entregaram ao desânimo e a desunião os abateu.

Como eles estavam voando dentro de uma gaiola os grandes políticos de Codó começaram a rondá-la com músicas que pareciam canto de sereia e quem não conseguia tapar os ouvidos tinha a portinha da gaiola aberta para ocupar um lugar em algum velho grupo.

Geograficamente, alguns subiram, outros desceram a cidade.

Grandes surpresas se deram para mim. Por exemplo, ver Arlindo Salazar discursando no palco de Zito foi de cortar o coração. Foi como ver Figueiredo Junior no canto da mesa na convenção de Biné e Mário Braga por perto feito um peixe fora d’água.

Ricardo não nos trouxe qualquer surpresa.

BRAVO ZÉ

Araújo Neto, Horário, Yuri, Dominguinhos e Zé Francisco arrumaram uma ‘bocada’ no alto da fábrica e nesta parte da cidade só sobrou Zé Inácio e Dr. Mendes, sozinhos, abandonados por seus ex-colegas de sonhos.

Pedro Belo tenta uma revolta, mas a cidade já sabe que lá por cima a coisa já está fechada e ele não poderá fugir, ainda que deseje no fundo da alma.

Assim terminou o sonho dos codoenses de ter um grupo novo concorrendo ao comando de nosso município. Todos arranjaram um jeitinho de voltar pra casa ou de arrumar uma nova casa, como já frisei, deixando aqueles que neles acreditaram a ver navios.

SÓ ELES PERDERAM

Mal sabem eles que jogaram uma grande chance fora, para servirem de bucha para aqueles que eles tanto criticaram nos últimos quase quatro anos. O povo, apesar de massa de manobra, continuará o povo, mas e nossos desertores o que serão para este mesmo povo a partir de agora?

Provou-se, mais uma vez, que aqui quem manda são os mesmos velhos políticos de outrora. Aqueles que fazem nossa velha política, aqui, acolá, com jeito e gente de cara nova.

Deixe uma resposta